Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

O que vale um Nobel?

PDF Imprimir e-mail

O Prémio Nobel da Paz foi atribuído ao ex-Presidente norte-americano Jimmy Carter, pelo reconhecimento de "décadas de esforços incansáveis" na busca de "soluções de paz para conflitos internacionais, para consolidar a democracia e os direitos humanos e promover o desenvolvimento económico e social". É evidente que todo este arrazoado quer dizer "não concordamos com a política americana actual". Coitado do Carter, ganha um prémio que afinal representa um recado para um terceiro! Esperemos agora que, ao menos, Jimmy Carter lhe faça jus e não passe a fazer a "paz" do Shimon Perez e do Coffi Annan...

 

 

 Fernando Cruz Gomes

O "Nobel" da nossa angústia

Quando, ainda tamanhinhos, ouvimos falar em Prémio Nobel da Paz... começámos, desde logo, a entender que se tratava de algo sublime. Um Prémio para enaltecer feitos notáveis nos variados domínios da busca da Paz. Por essa altura, a Paz era algo que se associava só à "guerra" - nesses tempos "fria" entre as duas grandes superpotências.

A pouco e pouco, porém, baralham-se as ideias. Começam a matraquear-nos o cérebro as manigâncias dos "espertos do mundo" que até sobre o Prémio Nobel... da Paz expendem conceitos que são quase de... guerra. É trágico. É duro. É, afinal, o baralhar de conceitos e de filosofias que nos foram enraizados pràticamente desde o berço.

Há quem diga, agora, que o Prémio Nobel da Paz, neste ano de Cristo, atribuido ao ex-presidente norte-americano Jimmy Carter... teve em mira, afinal, criticar o actual presidente George W. Bush. É que a Carter deram o prémio pelo reconhecimento de "décadas de esforços incansáveis" na busca de "soluções de paz para conflitos internacionais, para consolidar a democracia e os direitos humanos e promover o desenvolvimento económico e social".

Para alguns dos analistas que costumamos seguir, este arrazoado parece querer dizer "não concordamos com a política americana actual". Se assim é - e nada nos diz o contrário - é de ter pena do Carter. Dão-lhe o prestigioso prémio para, através dele, lançarem um recado a um terceiro! É preciso ter azar!

Talvez por isso, há quem faça a pergunta sobre "quanto vale um Prémio Nobel"? A verdade é que, para a maioria dos recipientes... vale cerca de um milhão de dólares e este milhão... é pouco mais que nada quando se trata de galardoar alguém que esgrime conceitos e expende opiniões em busca de uma Paz séria e consistente. Para nós, seria até extremamente difícil escolher alguém, no emaranhado de situações que se vão conhecendo, que merecesse ser galardoardo com o Nobel da... Paz.

Difícil senão impossível.

O dinheiro, no conceito de muitos, é o deus último. Aquele a quem mais se sacrifica. Aquele que é, afinal, o "ente supremo" a quem importa agradar. Por isso, a corrida ao dinheiro, o esmagamento de tudo e todos para o atingir, quanto mais depressa melhor. O jogo perene de interesses que tem na mira apenas e só o dinheiro. Quer ele seja dólar ou euro, petróleo ou armas. O dinheiro não tem cor nem som. É. Conta-se. Nem que para tanto seja necessário vender a alma, ceder o impossível, jogar o jogo da mentira, enredar países e pessoas. Se isso der dinheiro...!

Não sabemos - cada vez sabemos menos - se o Prémio Nobel da Paz tem ou não um critério uniforme ou se vive à sombra dos que fazem parte do comité muito fechado que o vai dispensando. Que vai abrindo mão da fortuna do magnata Alfred Nobel... que, mercê de artefactos que davam, também, para a guerra... deixou toneladas de dinheiro, aumentadas em cada ano que passa graças à cuidadosa (?) gestão que dessa fortuna vãp fazendo. O que sabemos é que, por vezes, o critério... esbarra em conceitos que mais parecem políticos. E como em política, segundo os entendidos, o que parece... é, vamos nós lá saber a que santo temos de rezar para saber ao certo a verdade.

Repugna-nos aceitar que alguém dê um Prémio destes a uma personalidade como Carter, para dar "um raspanete" ao sr. Bush. Mas lá que parece... parece!

A Paz constrói-se, dia após dias, nas famílias, com um mínimo de meios de subsistência, com a democracia a raiar no sol de cada um, com esforços para que seja transparente a conquista dessa Paz que se pretende estender a todas as Nações da terra. O ex-presidente Carter fez tudo isso? Combateu o bom combate para alcançar essa... Paz? E se a resposta for sim... será que o sr. Bush está a fazer o mesmo? Estará a dar-nos razão para sermos americanos quando um dos génios do mal fez a derrocada mais célebre de obras construidas pelos homens... sem nos tirar, também, a razão para chorar quando tantos milhares de inocentes caem no Afeganistão? - São perguntas inquietantes, nós sabemos. Perguntas inquietrantes para as quais nem respostas encontramos.

O Prémio Nobel da Paz... vale o que vale. Mas é, para além disso, incentivo a novos actos de valor intrínseco a favor dessa mesma Paz. Será que os mais novos - sejam eles políticos ou não - se revêem nos conceitos que outorgaram o Prémio Nobel da Paz ao sr. Carter? - Por nós... não o sabemos. E o pior é que tudo isto nos angustia, em altura como aquela em que vivemos em que a guerra - às vezes "quente", o que é dramático - campeia um pouco por toda a parte. É que a guerra beija o Afeganistão, tuteia a Palestina, vive paredes meias com a Indonésia e ainda não deixou a tchechénia. São pontos a mais. São vozes de sangue cada vez mais audíveis. Sobretudo porque também há cada vez mais quem admita que... armas só para alguns, porque para outros... é preciso fazer a guerra (com armas, claro) para que esses as não tenham.

Gostávamos todos de ter, há dias, levantado as mãos aos céus - em época de "Thanksgiving" - a agradecer a Paz. Mas ainda não foi este ano.

Fernando Cruz Gomes

 

  Orlando Castro

Bush deu o Nobel a Carter

O ex-presidente democrata norte-americano Jimmy Carter (James Earl Carter Junior), laureado com o prémio Nobel da Paz 2002, não tem dúvidas. Aliás, quando se olham ao espelho (se é que isso é coisa que existe na terra do tio Sam) os americanos nunca têm dúvidas e, penso, julgam que raramente se enganam. É por isso que Bush não tem dúvidas quanto ao ex-amigo dos EUA que dá pelo nome de Saddam Hussein e entende que é preciso mandá-lo desta para melhor. E é por isso que Carter afirma, sem ponta de dúvida, que se fosse membro do Congresso teria votado contra a autorização dada ao presidente Bush para usar a força no Iraque.

Esta coisa a que chamam Nobel, sobretudo na sua categoaria da Paz, tem muito que se lhe diga. Desde logo porque, ao longo dos anos, tem privilegiado todos aqueles que usaram o dinamite para dar razão à força. Nobel, apesar de ter inventado o dinamite, queria (penso eu) dar - isso sim - força à razão.

Seja como for, Jimmy Carter ganhou. E porquê? Ora, nem mais. Porque, segundo o presidente do Comité Nobel para a Paz, Gunnar Berge, o prémio "pode e deve ser também interpretado como uma crítica à política da Administração actualmente no poder nos Estados Unidos em relação ao Iraque".

Curioso é atentar em alguns dos comentários dos que, hoje, fazem política neste Mundo que vamos tendo. O chanceler alemão, Gerhard Schroeder, congratulou-se que os "esforços de mediação" de Jimmy Carter tenham encontrado um tal reconhecimento. Nem mais.

O presidente português, Jorge Sampaio, disse que a atribuição "foi uma bela recompensa para quem, nos últimos 20 anos, teve um grande empenhamento na luta pelo respeito dos direitos humanos e pela paz, inclusivamente na questão de Timor-Leste". Nem mais.

Durão Barroso, considerou "justa" a atribuição do prémio, acrescentando tratar-se do "reconhecimento da mensagem humanista que Jimmy Carter soube dar durante e após a sua presidência, especialmente no domínio dos direitos humanos". Nem mais.

O Alto Comissário para os Direitos Humanos da ONU, Sérgio Vieira de Melo, sublinhou o "esforço incansável" de Jimmy Carter pela paz e os direitos humanos. Nem mais.

O ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, Felipe Pérez Roque, manifestou a "grande satisfação" do seu país com a escolha de Jimmy Carter, que (por acaso) em Maio passado efectuou uma visita histórica a Cuba. Nem mais.

Na Noruega, sede deste comité, o primeiro-ministro Kjell Magne Bondevik disse estar "feliz" com a escolha, mas o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Jan Petersen, declarou-se "um pouco espantado" com as críticas feitas à Administração norte-americana e aos países que a apoiam. Nem menos.

Em contraste, o Canadá aplaudiu implicitamente os comentários de Berge, frisando que a escolha de Carter constituía "uma mensagem clara a favor do multilateralismo". Nem mais.

A Casa Branca, por seu lado, recusou entrar na polémica e responder ao presidente do Comité Nobel, afirmando apenas que "foi um grande dia" para Jimmy Carter e que o presidente George W. Bush lhe tinha telefonado para o felicitar. Nem mais... nem menos.

O presidente afegão, Hamid karzai, dado com um dos favoritos para o prémio deste ano, mostrou bastante "fair play" ao declarar que o seu rival norte-americano "merecia o prémio mais do que ele". Nem mais.

Tenhamos, contudo, alguma calma. Se desta vez George W. Bush deu uma decisiva ajuda para que o seu compatriota vencesse, não faltarão ajudas para que, num dos próximos anos, seja este Bush (e porque não so seu pai, com vasta obra feita na Guerra do Golfo?) a vencer o Nobel. Não faltam exemplos (como aqui se escreveu no Café Luso do dia 30.10.2001 sob o título «Guerra com Nobel se paga», a propósito da atribuição do prémio a Koffi Annan) que nos indicam que vale a pena fazer a guerra quando se quer chegar ao Nobel... da paz.

Com menos possibilidades, mas não necessariamente fora da corrida (vejam-se os exemplos de Yasser Arafat, Mohamed El Sadat, Menachem Begin, Shimon Peres e Yitzhak Rabin), estão nesta fase do campeonato Saddam Hussein e Osama bin Laden. Mas nunca fiando...

Orlando Castro

 


Acrescentar como Favorito (498) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3575

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Medina Carreira SIC (1)

Entrevista de Medina Carreira à SIC Notícias

Medina Carreira SIC (2)

2ª parte

Medina Carreira SIC (3)

3ª parte
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
Mercedes Terrell | cheap car hire