Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

F.F.F.

PDF Imprimir e-mail

No tempo de Salazar dizia-se que Portugal era o país dos 3 F - Fado, Futebol e Fátima. Actualmente de Fado temos pouco, de Fátima idem aspas mas quanto a Futebol não nos podemos queixar e não será pela ausência dos dois primeiros que deixámos de ser o país dos 3 F. Basta olharmos para quem nos "informa" - jornais e televisões - abrem com grande parangonas sobre futebol, no meio mais futebol e no fecho ainda desporto, leia-se futebol. É mau? Claro que não! Quer dizer que todo o país vai bem, não há miséria, a saúde está óptima e a educação também. Não existe corrupção, a economia recomenda-se e é bonito de ver o bem estar geral. Num ambiente de felicidade suprema é natural que só se fale de lazer!

 

 

  Fernando Cruz Gomes

O Futebol é que... "induca"!

Já uma vez, há muitos anos, falei de futebol. E tanto falei... que até fiz um relato. Estávamos ali para as bandas de uma coisa a que chamávamos Estádio... dos Coqueiros, na capital de uma então província, que já tinha sido colónia... e hoje é País (honra lhe seja feita). Éramos então (quase) principiantes dessa coisa de fazer Rádio... e ainda tínhamos, por essa altura, a mania de que para fazer Rádio - ou Televisão ou Jornais... - era preciso aprender.

E então vá de aproveitar a ida a Luanda de uma equipa chamada Sporting Clube de Portugal e de uma outra que se chamava Ferroviária de Araraquara (Brasil). Este clube trazia até consigo um relator. Era o Énio Rodrigues - que nem sei onde anda e nem sequer se faz relatos para lá do "assento etéreo" onde todos havemos de subir. Pois, como queria aprender, lá me atrelei ao bom do Élio. E não é que... lá fui fazendo o relato! Claro que enquanto o Énio relatava... 5 jogadas, eu não passava de meia! Isto é... a velocidade do Énio era assim uma coisa a modos que um avião a jacto, enquanto a minha não passava de burro a correr...

E tão burro me senti... que nunca mais quis pegar num microfone para fazer um relato de futebol! Acho que isso se chama vergonha... mas adiante. Vergonha? - Não, porque eu haveria de voltar à "cena do crime" - muitos anos depois... - num tal Lamport Stadium que vive paredes meias comigo em Toronto das mil frustrações. E de facto ainda fiz ums relatozitos... mas sem nunca ter aprendido. O que é normal por estas paragens onde o Português se vai finando. Fiz relatos... até aparecer o Amadeu José de Freitas. Que a esse... nunca eu disse que sabia fazer relatos. Era mesmo o que faltava!

Pois... mas hoje, um pouco por todo o mundo... o Português é doente pelo Futebol. E eu que não queria falar no tema... tenho de avançar. São ordens! Ainda um dia hei-de tentar saber de que clube é o António J. Ribeiro. Sim, porque o meu compadre, aqui ao lado... sei eu bem de qual ele é. A viver junto a Sua Excelência o Excelentíssimo Pinto da Costa! Só pode ser... isso mesmo.

Eu não. Não sou de nenhum clube. Acho que é um desperdício de tempo ficar por aí agarrado ao televisor ou ao rádio... para imaginar uns quantos "pêssegos" a dar meia dúzia de pontapés na bola. Era mesmo o que faltava! Portugal, porém, só pensa em futebol. E às vezes há autênticas guerras. Com cadeirada e tudo. Eu... fujo disso. Adepto de um clube?! Era mesmo o que faltava! E no entanto até me dizem que o prof. Marcello Rebelo de Sousa está agora... a meter futebol nos seus inteligentes comentários. Pobre professor! Ao que ele chegou?!

No tempo de Salazar dizia-se que Portugal era o país dos 3 F - Fado, Futebol e Fátima. Pois, mas de Fado, hoje, temos pouco. De Fátima assim-assim. Quanto a Futebol, aí não nos podemos queixar e não será pela ausência dos dois primeiros que deixámos de ser o país dos 3 F. Agora é Futebol... Futebol... Futebol. Basta olharmos para quem nos "informa" - jornais e televisões. Abrem com grande parangonas sobre futebol. No meio, há mais futebol. No fecho, mais uma fatia do dito.

Irra! Até parece que temos a melhor Saúde do Mundo. Que a nossa Educação está nos píncaros da Fama e que o Trabalho, enquanto instituição... vai indo de vento em popa. E como não temos nenhum desses problemas... aí temos nós de tomar banho, resfastelados, em ondas de futebol. Temos de fazer da bola o símbolo nacional. Com muitos Figos e alguns... Baías, sem esquecer os Costas das nossas angústias e os Quaresmas e Vianas de quanto baste.

Somos, de facto, um país... fantástico. Somos, por cá, uma comunidade do melhor. O Futebol é, de facto, quinduca. E quando assim é...

Esta crónica vai hoje mais pequenina. Não levem a mal... tenho de ir ali a um certo sítio ver o meu Sporting... que vai jogar nem sei com quem. Os meus filhos mais novos - a quem eu, pelos vistos, transmiti as minhas virtudes... - vieram chamar-me. Tenho de ir ver o jogo com eles. E como a minha mulher também me acompanha é certo e sabido... que vai ser uma tarde de sofrimento. É que todos, mas todos - passando pela minha mulher, pela minha filha, pelo meu filho e creio que até já pela minha neta - vão gritar, barafustar, cirandar em torno dos jogadores, a quem pedem para cruzarem, possa... para correrem, para meterem golo.

E eu - pobre de mim! - lá vou gritando também. Tive o azar de querer um dia que os meus filhos ficassem do Sporting... porque eu também era do Sporting. Pois! Ficaram doentes... doentes... doentes. E a minha filha até diz que se isso é doença... não quer ser curada...

Fernando Cruz Gomes

 

  Orlando Castro

Figo, Ferro e Forças (Armadas)

Parafraseando um dos ídolos (para alguns) do Futebol (e cá está, ou continua, o primeiro F do nosso (des)contentamento), um tal Luís Figo, são poucos os políticos capazes de dizer que, para perder prestígio, preferem não ir à selecção... política. O tacho é demasiado importante e, é claro, cada vez mais ser político é uma profissão.

Se, em matéria de futebol, Portugal tem o que merece, na política também não anda longe. O importante, ao que parece, não é o país real (doente, vilipendiado, maltratado, prostituído) mas, isso sim, tudo o que é marginal e que serve às mil maravilhas para enganar o povo. Discutir o essencial? Para quê? Sim, para quê se, mais coisa menos coisa, todo ficamos saciados com a discussão do acessório?

É claro, digo eu e mais meia dúzia de cépticos, que os "nossos" políticos deveriam analisar, por exemplo, o défice da balança de transacções correntes que revela que damos cabo de 8% a 10% do Produto Interno Bruto. É claro, dizemos os mesmos, que os tais políticos deveriam analisar as razões porque o défice das contas públicas é de 3% ou 4% do PIB.

Então porque carga de água não o fazem? A minha teoria continua a ser a mesma: Enquanto este país não instituir o primado da competência em vez do da subserviência, não vamos lá. É por isso que os "nossos" políticos se limitam a ver para que lado vai o fumo dos eléctricos. Ou, como diz o povo, a andar calçados para não se ver que têm as meias rotas.

Mas há mais. Muito mais. E chegamos a mais um dos F da era moderna desta democracia que, quer se queira quer não, está a ser um problema para a solução e não, como nos prometeram, uma solução para o problema.

«Não tenho medo nenhum desses palermas que pensam que me intimidam com mentiras». Nem mais. Embora seja ele próprio um paradigma de quem confunde a obra prima do Mestre com a prima do mestre de obras, não lhe falta nem lata nem vergonha. Quem assim fala não é gago, é Ferro Rodrigues.

Ferro Rodrigues que, eventualmente num regresso às origens, considera palermas os que, na circunstância do PSD e CDS-PP, defendem a constituição de uma comissão de inquérito à actuação do último Governo no acidente na estação de metro do Terreiro do Paço. Este F é de facto um exemplo (e por isso merece um obrigado) de como quem, por ser ignorante diplomado, confunde o violino comprado na Feira da Ladra com um Stradivarius.

Estaríamos, se calhar, à espera de ver este Ferro alertar para a nossa perda de credibilidade nos mercados financeiros internacionais, o que resultará - com ou sem palermas - em claros aumentos do prémio de risco e das taxas de juro e, ainda, na certeza de ver os investimentos estrangeiros a passar ao lado (ou por cima) do nosso país.

Chegados a esta fase não poderia faltar o terceiro F e que respeita aos que, embora perdendo todas as recentes guerras em que estiveram envolvidos (Guiné, Angola e Moçambique), continuam a ter (dizem eles, pelo menos) um papel importante na sociedade portuguesa: as Forças Armadas. Não sei se, de facto, perderam essas guerras. Sei, contudo, que de jure assim consta.

«Este ministro tem tido algumas dificuldades que não têm nada a ver com as Forças Armadas. Paulo Portas está paralisado com o caso da Universidade Moderna». Assim falou o Chefe do Estado Maior das Forças Armadas Portuguesas, General Alvarenga Sousa Santos.

Se cada macaco deve estar no seu galho, o Chefe das Forças Armadas exorbitou a sua agilidade e mudou de galho. Eventualmente porque, talvez por defeito congénito de fabrico, os portugueses só estão bem onde não estão.
O General Alvarenga não tinha, na minha opinião, que meter a foice (salvo seja!) em seara alheia. Fê-lo à revelia da Lei de Defesa Nacional (Artigo 31) e, mais do que isso, violando o dever de solidariedade para com o seu Ministro da Defesa.

É claro que o aumento de 2% no Orçamento de Estado para as Forças Armadas é pouco, sobretudo porque o anterior Governo socialista se esqueceu de fazer, nesta como em quase todas as outras matérias, o que lhe competia. Mesmo assim, pergunta-se: quantos serão os portugueses que vão ter 2% de aumento?

Acrescente-se que, segundo o FMI, a economia portuguesa vai crescer 0,4% em 2002 e 1,5% em 2003, o desemprego será de 4,7% em 2002 e 5,1% em 2003 e os preços vão subir 3,7% em 2002 e 2,7% em 2003.

E é assim. São outros os efes mas o mexilhão continua a ser o mesmo. O zé povinho continua a pagar as facturas. As facturas do futebol, dos políticos palermas e dos militares que perderam as guerras e não conseguem assinar a paz.

Orlando Castro

 


Acrescentar como Favorito (972) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 6370

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Medina Carreira SIC (1)

Entrevista de Medina Carreira à SIC Notícias

Medina Carreira SIC (2)

2ª parte

Medina Carreira SIC (3)

3ª parte
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire