Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

Ela olha-o todas as manhãs...

PDF Imprimir e-mail
Ela olha-o todas as manhãs como olharia o castanho denunciador duma doença, a invadir o verde das folhas das azáleas do seu jardim.
-Será que as vou salvar? Tem salvado as azáleas, a ele perdeu a ilusão.

A casa azul fica a sudoeste de Halifax, no Point Pleasant Park, tesouro verde à beira-mar. A 10 minutos da baixa, usufrui dos encantos do campo.
O jardim que a circunda parece não ter fronteiras, comungando do mesmo espaço verde. A primavera atrasada, trouxe por fim as tulipas, o pássaro azul, as abelhas. O corvo mais barulhento que os cães da Ana, levantam finalmente voo arrastando com eles o grito. Os esquilos do topo da árvore, provocam atirando nozes. Todo este cenário me pertence, suspira Anaid. Todas as manhãs um "raton laveur", basculha o lixo, e um cão chamado rudy, se a voz da dona não mente, quando estérica o chama, resolve no seu jardim, deixar a sua marca. Não suporta a apatia da dona, e grita, da janela do seu quarto, ao animal tentando afuguentá-lo.

Até ao dia em que a pequena familia, depois do divórcio a adquiriu, a casa azul testemunhou dramas terríveis. Os "Lit" deixaram-lhe a marca, quando um acidente terrível deixou a família em farrapos. De quatro filhos, dois restaram e o casal passou então a errar pela vida, por caminhos opostos. Não se suportavam e um dia ele ao entrar em casa viu vazio, seguido de um divórcio feroz. A mulher acusou-o de adultério, com a jovem esposa de um colega 15 anos mais jovem. Ele desmente retratando-a de demente.
Um mês depois, o marido da pretendida amante morre eletrocutado a cortar a relva, e procura consolo nos braços dele:
- tu que passaste a dor de perder os teus filhos, ajuda-me a suportar a minha...
Ele não se fez de rogado. Drogados na química do amor, não tiveram tempo de viver a dor, dos respectivos dramas. Dois anos de fantasia, de viagens, da grande vida... Até que um dia, Douaine Raymond, na qual ele era sócio, devido à recessão que carcomia a economia do Canadá, lhe ofereceu um "package" e um certificado de demissão. O desnível de idades, tomou forma, e a linda loura, de repente, decidiu que as suas vidas, nada tinham em comum. Segue-se uma época de D. Juanismo para o "Litman".
Entretanto, a casa azul passou para as mãos de um casal de farmaceuticos. Os vizinhos adivinham uma família infeliz. Não, não era fruto de imaginação de faladores baratos. O tempo prova que os seus pressentimentos eram infelizmente fundados numa triste realidade: desespero, abandono ao destino... Um dia, sem ninguém compreender o porquê, a esposa comete suícidio. E a casa azul ficou a ser como a casa enfeitiçada do Point Pleasant Park. Foi assim que Anaid a notou um dia quando a fazer joging na serpentine road, lhe apercebeu a pancarta: for sale. E destino? Ou coincidência? O Litt que corre com ela diz-lhe:
- Devias dar um sentido à tua vida e pensar na compra de uma casa. Nessa à tua frente.
- Sempre reparei nela, responde Anaid, quando desço a colina, suave a vejo aos meus pés...
- Vivi nela até que o drama acontecesse...

Ela engole em seco e envolve-se de silêncio, porque lhe conheçe a história. Pareceu-lhe a casa de repente triste tocando o macabro, quando ele explica porque razão está à venda:
A mulher que era inteligentíssima suicidou-se e ninguém sabe porquê.

Deixou de lhe ver encanto mas mesmo assim, o Lit convenceu-a a fazer uma proposta. Tão abaixo do valor que pensou que recusassem. Foi aceite. Com humor e porque não é supersticiosa brincou: mudo-lhe a cor...
Quando lhe tomou posse, ouve um limpar de nariz, que lhe pareceu anormal, vindo da casa de banho. A filha mais velha, da infeliz falecida senhora, apoiada à janela da casa de banho, num mar de lágrimas olhava os veleiros na baía. Anaid, envolve-a nos seus braços, enquanto que adornada de soluços a sua vozinha enfraquecida lhe balbucia:
- era o lugar preferido da minha mãe. Gostava de olhar os veleiros deste pequeno canto da casa de banho.

Ela sente um nó na garganta. Pobre menina. Num adeus doloroso, ela acaricia o vidro da janela, olhando o oceano, e o branco das velas levadas pelo vento. Sente desamparo no desespero dela, e diz-lhe:
- sempre que te apeteça vir aqui, vem.

Veio, várias vezes para se apoderar da correspondência que para lá ia. E depois pouco a pouco as visitas escacearam. De vez em quando, uma carta aparece, que manda para trás. O Lit toca de novo o passado. É com emoção que ele sente de novo os seus passos na mesma carpete. Olha as cortinas que são as mesmas, do quarto da Tracy e do Ryam. Ah, como esse acidente mudou para sempre o perfil da família Lit.

O pai dele, veio para a Nova Scotia muito pequeno, orfão. Sem história. Conheceu uma senhora de Cape Breton com quem casou. Juntos tiveram 5 filhos: a Maryl casou com um director de banco e vivem um reforma confortável, em Bedford. A Rose, depois do marido se suicidar casou de novo com um homem mais jovem e vive a crise do medo de o perder por uma mulher mais nova. O irmão Larry depois de vários roubos a bancos à mão armada, foi finalmente recuperado por uma mulher muito crente e que se apaixonou por ele. O Frank que abandonou o filho é um óptimo padrasto para os filhos com problemas mentais, da 2-a mulher. A vida não o poupa e lega-lhe um cancro da garganta. O Litman como ele gosta de ser chamado é o tipo de homem que se faz olhar. Pela gargalhada imprevista, pela maneira impecável com que se veste e pelo seu maneirismo que toca muitas vezes o ridículo. No seu escritório uma tira iluminada e intermitente, passeia pelo computador:
I AM THE LITMAN I AM THE LITMAN.
É um mulherengo que usa de todos os recursos, para atraír as raparigas novas. No escritório a ausência de bonbons na "bombonière" indicam a que ponto o escritório dele é popular. C.E.O. of the renewel Agency of Nova Scotia, posição que lhe foi oferecida em bandeja de prata pelo muito influente presidente da Coopers and Librand, posição que ele desdenha categóricamente:
- Tenho muito poder e um salário de merda.
Mas é o salário que o faz viver depois de três anos. Não tem escrúpulos de espécie nenhuma. Vende as fórmulas às companhias de gaz envolvidas no negócio da Sable Island Oil, e vinga-se dando informações confidenciais,a nível governo, ao frank magasine, revista de retrete, mas que toda a élite da nova scotia devora. Enfim detesta o sistema que ele próprio desenha. Pensa resolver a sua vida material com a sua amiga, só que ela descobriu-lhe o jogo prematuramente. Ela sorri quando se lembra da frase preferida da sua filha quando esta tinha 6 anitos :
- "Rira le mieux qui rira le dernier".

Ela olha-o todas as manhãs como olharia o castanho denunciador duma doença, a invadir o verde das folhas das azáleas do seu jardim.

- Será que as vou salvar? Tem salvado as azáleas, a ele perdeu a ilusão. Olha as biografias, mal escolhidas, na sua mesinha de cabeceira.
O rádio alarme que o acorda todas as manhas às 6 horas. Meia hora de notícias até acordar completamente, 3 quartos de hora a correr pelo point pleasant park. Todas as manhãs o vê chegar através da janela da cozinha, enquanto prepara o pequeno almoço, abatido e torto. Foi ela que se atreveu uns anos atrás a lançar-lhe, com cuidado para não lhe ferir a vaidade:
- não te quero ofender, mas tens um ombro muito mais descaído do que o outro.

Zangou-se, mas sem lhe dizer nada, foi consultar o médico que o proíbiu categóricamente de continuar a frequentar o ginásio. Sente-o tirar os ténis antes de entrar em casa. Seguem-se 20 minutos de exercício. Ela olha-lhe as pernas magras e musculosas. Unica parte do corpo que não lhe denuncia a idade. O ventre sem ser enorme é balofo, os braços são curtos e as mãos pequenas e gorduchas expoem dois grandes aneis: Um do curso e outro das origens. Ela tenta compreender donde lhe jorra tanta vaidade. Talvez dos olhos explendidamente azuis, ora maliciosos ora crueis, mas nunca suaves e bons. Juntos tomam o café, da manha, razão pela qual lhe conhece a rotina. A seguir um duche seguido da escolha minuciosa do fato, da camisa, dos suspensórios e da gravata. Gosta de gravatas jovens e coloridas e através delas se fazer notar:

- Donny, mas que gravata diferente...
- comprei-a em Paris, responde ele, mentindo e omitindo que foi a "namorada" que lha tinha oferecido durante a visita à cidade das luzes.
Estrela cadente com uma poeira aromática chamada Giorgio, de rasto... Um dia de trabalho a saltitar de secretária de ministro para secretária de sub-ministro. Tudo que tenha menos de 25 anos de idade é brilhante. Não gostam dele no governo.

- Sou íntegro demais, para eles...
Detesta o ministro Richman, e não o poupa, denunciando-o ao Frank magasine.

Porque é que o destino os colocou no mesmo caminho? Que lição é que ele ainda lhe quer dar, a ela, que sempre procurou no oposto dele? Ela sente-se lúcida, apesar de deixar de o reconhecer, por tanto o conhecer.
Franze pensativa, as sobrancelhas, tique dela indicativo, de questionamento profundo.

Diana de Moura - Halifax, Canadá
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de e-mail

Acrescentar como Favorito (354) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3146

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire