Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

O Grito

PDF Imprimir e-mail

 

Um grito longo e rouco trespassa o espaço cinzento e espesso. Sirenes avisam os barcos da pouca visibilidade no porto. Elas, equilibram-se o melhor que podem nos saltos de salto alto, na espera do homem. Hollis street! Estranho que as putas a teham escolhido.

O grito. Continua. Os seus tentáculos infiltram-se nos peitos delas.

Ele levanta-se. Lento o gesto. É cedo. Os fanáticos do exercício, in solo ou em grupos, já correm a Young Avenue, em direção ao Point Pleasant Park. Uma das raras vezes em que o movimento não é mecánico, ela no aconchego dos lençois de flanela, adivinha-o sair. Ouve o motor do Jeep. Escondido ao olhar dos curiosos, um raminho de flores nas mãos, é fiel ao rende-vous do 19 de Março. A igreja, fica a dois passos, da sua casa, na Enlish st. Um pequeno canteiro com flores a germinar. Duas árvores que nos anos precedentes já estaria carregada de flores, guardiões da eternidade, abençoam um templo. É com ternura e uma grande saudade que ele limpa a pequena placa coberta de neve, monumento erigido á memória das duas crianças. Estranho que tenha sido o avô delas o arquitecto da igreja dos Mártires. Estranha a escolha do nome!

Depõe as flores na campa e regressa a casa, acompanhado do Grito!
Parece um homem cansado de culpas. Por isso o seu grito é calado. Ela ainda finge que dorme. Ultimamente o seu interior afirma-se. Gosta dele, como de um alimento apetitoso e indigesto. Ela ouve-o a descalçar os sapatos. O cheiro do café anuncia que se pode levantar. Admira-lhe a dignidade do seu grito silencioso. Porque ela é no berro que se exprime, quando descobre que a "Royal Dolton Doll" chamada Ana, pertencia a um grupo de cinco, que descobriu por coincidência, quando telefonou à vendedora da Birks:

- A boneca de porcelana que recebi ontem pela ocasião de St. Valentin, foi acidentada...
- Qual delas? responde-lhe a simpática sra. Foram compradas cinco, pelo mesmo "gentleman".
Num gesto de raiva, parte a boneca no pensamento enquanto a depõe numa prateleira, com outros objectos.

Para não ficar a ruminar a frustação, resolveu ir visitar a sua amiga. Uma chamada para a filha, e juntas depois de um almoço ligeiro, dirigem-se para bedford.

Vinte minutos depois, a seguir a uma série de voltas não muito desejadas, encontraram finalmente a rua. A casa não foi difícil de ser reconhecida. Os cães da Marilla começaram a dar-lhes as boas vindas duma maneira tão efusiva, que ela receou que saltassem a cerca. Propoz á filha que seria melhor utilisarem a porta da entrada. Uma amiga da Marilla vem abrir.

- Hi, how are you? Come in, come in... My name is Lisa.

Na sala de visitas, estendida no sofá, está a Marilla, mais bonita do que nunca. Parece que a gravidez a rejuvenesceu! Colantes castanhos e um camiseiro de suede castanho também. A janela tipo catedral, deixa ver uma paisagem castanha também.

- Hi, Cleopatra sauda-a enquanto deposita um beijo, papoila do "remembrance day", na face dela.
- Ana! grita ela tarde demais.
- Olha os teus lábios.
- Como não te vejo papoila nenhuma, má canadiana, desenhei-te uma com o sangue dos meus lábios.
- Um tremor gozão percorre-lhe o corpo. -brrrrrr.

Sentadas, a Marilla e Marina, a filha, falam para serem diferentes de outras ocasiões, de gravidezes, de más gravidezes, de mães, de pais...enquanto que a Ana pensa:

- Porque é que todas as mulheres quando estão grávidas pensam ter o rei na barriga? Deixa-as na conversa enquanto que anuncia
- Vou á casa de banho.
- Just on your left, diz a Marilla, tão distraída que se esqueceu que ela conhece a casa.

Quando abre a porta não tem escolha senão reparar na sensualidade do homem da fotografia, no muro aonde se encontra a sanita.
- Porque não ? Pensa ela, enquanto lhe admira o corpo bonito, dentro duma jaqueta de couro aberta, jeans, e botinas de cow boy. Um livro sobre o lavatório, intitulado de gravidez, um outro num cesto - gravidez prematura. Suspira aliviada quando depara com uma revista. Quando lhe vira a capa, não se admira, ao lêr: pais e filhos.

De novo na sala, a Marilla continua a ser o centro das atenções:
- O pé, snob no ar, diz: era um cinco mas agora é um cinco e meio.
- Really? dizem em coro as amigas.
- Sim, e parece que acontece com todas nós as grávidas. A ti não te cresceu, Ana?
- Oh, a mim cresceu-me tudo, por todo o lado.
Elas riem-se, e ficam admiradas por ela já ser mãe e mais ainda quando a Marilla lhes diz que Marina é a sua filha:

- Pensávamos que eram irmãs...
- Oh, responde a Marilla, elas já estão habituadas à perflexão que causam nas pessoas, não é assim?
A seguir tentam adivinhar o que o pequeno ser, seria. Rapaz, ou rapariga?
- A minha mãe diz que é uma rapariga, porque tenho a barriga descaída. A Marilla parece uma anunciadora do boletim metereológico, a apontar cuidadosamente os vários pontos da sua carta geográfica, ás amigas. Aqui, no meu lado esquerdo, está um movimento de braço, bla bla etc.

A Joana, a Stephanie e Marina, ouvem  Marilla com toda a atenção...Conselhos preciosos para um futuro, quem sabe...

Ana desvia a conversa e pergunta se o homem da fotografia é o James Dean.

- Não, é o Paul diz ela. Quando era mais jovem, era um modelo.
Como? O teu marido? Dizem elas agora mais interessadas na fotografia do que no umbigo da Marilla.
- Podemos ir vêr?
Dirigem-se para a casa de banho e ouve-se um:
- Uau, uau, uau.

Quando voltam, a conversa concentra-se de novo, na colina da Marilla.
- Bla, bla, começamos o nosso projecto, no apartamento que a Ana tem no Algarve.
- Nós estivemos em Portugal no ano passado, diz captivada a Joana pelas origens da Ana.
- Aonde? pergunta.
Lisboa e arredores e depois o Algarve.
- Foram a Sintra?
Oh, maravilhosos castelos, suspensos no ar, diz a Joana sonhadora.
- A Marilla pensa nos pasteis de Sintra.
- Ah, se eu pudesse ter agora um. Hum!
- E os homens portugueses, que temperamento! A Joana, brinca. Não precisam de comprimidos para declancharem uma actividade sexual.
- Que tens contra os nossos homens, ralha a Marilla que tem um super-homem.
- Nada, nada, nada.

O Paul da Marilla chega e a conversa esmorenece como por encanto.
Ele não reparou que subitamente o grupo o olhou um pouco mais do que o habitual, enquanto que um pensamento comum as fez sorrir...

Entretanto a Marilla continua imersa no seu mundo criativo.
Sonhadora acaricia a sua colina. E prepara-se ela também para O GRITO.

Diana de Moura - Halifax, Canadá
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o JavaScript terá de estar activado para que possa visualizar o endereço de e-mail


Acrescentar como Favorito (415) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3513

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire