Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

Cinco contra cinco

PDF Imprimir e-mail

Na ilha da Graciosa, onde todos os nomes são esdrúxulos, há um homem de nome Eusébio e outro de nome Coluna, há um Hilário, um Peres e um Lourenço

 

– e são todos irmãos. Não sei se é mito, se é verdade: sei que há um Eusébio e um Coluna, um Hilário, um Peres e um Lourenço, todos irmãos de pai e de mãe – e sei sobretudo que só não chegou a haver um Simões e um Morais e um Torres (assim mesmo, como nomes próprios) porque o Lourenço ameaçou sair de pés, a parteira mandou chamar um médico a Santa Cruz e, feito o rescaldo das manobras, a dinastia fechou para liquidação.

Enfim, eram tempos de miséria, sem acompanhamento de gravidez nem GNT, e Brivaldo Menezes, pai e treinador principal, mergulhou nos copos para nunca mais voltar. Ainda hoje, no entanto, o seu nome me vem à memória sempre que me lembro do Renato e do Manuel Aurora, do Jorge António e do Tareco, os meus gloriosos companheiros de futebol da Terra Chã.

Brivaldo vivia um sonho: o sonho de construir uma equipa de futebol de irmãos, uma gloriosa equipa de futebol com os nomes de todos os magriços. Nós vivíamos uma frustração: tínhamos uma equipa linda, mortífera, mas na verdade não era bem uma equipa – era uma equipa incompleta, que precisava sempre de mais uns rapazes do Terreiro para completar o onze, uma rapazes sem jeito para nos entenderem com um simples olhar, incapazes dos mecanismos 2x1 que havíamos rotinado, perdidos num campo enorme enquanto nós os cinco trocávamos a bola e a tentávamos levar às costas até ao outro lado do campo. Em suma, tanto nós como Brivaldo Menezes, da ilha da Graciosa, desconhecíamos o futebol de cinco – e esse é que era o verdadeiro problema.

Hoje, quando eu ligo o GNT e vejo a Ulbra e o Goiás digladiando-se a toda a extensão do meu black-trinitron, tenho a festa do guarda-redes gaúcho no lado direito do ecrã e os lamentos do guardião rancheiro no outro extremo do monitor. Está tudo ali dentro: tudo acontece dentro de uma cabine telefónica, como nos tempos do Paulo Futre, mas principalmente tudo se passa com apenas cinco homens – cinco rapazes como na minha parca vizinhança, cinco jogadores como os pupilos de Brivaldo, cinco filhos como o máximo a que hoje pode aspirar uma dinastia, nestes tempos de famílias nucleares acanhadas. Sejamos claros: se o GNT tivesse aparecido mais cedo, provavelmente os irmãos Vidigal não estavam agora cada um para seu lado.

Porque o futebol de cinco é arte, arte pura e incontestável: a bola tem tiques de esfera de flippers, os jogadores movem-se como Speedy Gonzalez, as balizas murcham ao fundo do ecrã – e no entanto tudo aquilo faz sentido, tudo aquilo é força e velocidade e beleza, com os mesmos golos, as mesmas fintas e as mesmas defesas in extremis do futebol de onze, mas num terço do espaço, num terço do tempo. Se o futebol de onze é prosa, o futebol de cinco é poesia – bela e concisa, sem desperdícios. Se fossem ambos mulheres, o futebol de onze era a Cameron Diaz, longa e gélida como as mulheres que queremos, e o futebol de cinco a Jennifer Lopez, pequena e curvilínea como as que amamos.

Mas atenção às palavras: chamo-lhe “futebol de cinco”, não “futsal”, esse nome sem chama nem história com que os brasileiros tentaram individualizá-lo, a pensar no marketing. Porque o futebol de cinco sempre foi, é e será um desporto angustiado, sem personalidade, obrigado a usurpar o nome de outro para poder existir. E, se alguma vez me perguntarem o nome de um jogador, direi que não conheço nenhum – mesmo que conheça, direi que não conheço nenhum. Os jogadores de futebol de cinco são todos jogadores de futebol de onze frustrados, e como há muito sabemos a frustração é a raiz de quase toda a arte.

 

Joel Neto

 

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire