Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

E se fossemos optimistas?

PDF Imprimir e-mail

Em pleno século XXI assiste-se, nestes dias, a mais uma guerra entre povos vizinhos do Médio Oriente, cujo fundamento reside no velho problema da ocupação de territórios, ampliado, neste caso, com o fundamentalismo religioso.

 

Numa guerra com estas características ninguém tem a razão total e seria melhor que os comentadores parassem de atiçar um dos lados e fizessem mais pedagogia e mediação de argumentos. Tenho esperança que a nova administração dos Estados Unidos da América (E.U.A.) saiba pôr fim à violência e encetar um processo de negociações sério e que seja, desta vez, para durar. Talvez a própria crise económica que atravessa o mundo – com a queda do liberalismo económico - propicie esse encontro de ideias, agora que todos têm que repensar o seu paradigma de desenvolvimento. A ganância pelo petróleo, por exemplo – que criou tantas guerras - pode estar em declínio uma vez que outras fontes de energia irão surgir para podermos vencer a crise e salvar o planeta; o unilateralismo político e económico, por outro lado, também parece ter os dias contados e poderá haver, no futuro, mais participação dos povos nas Nações Unidas para a resolução dos conflitos a nível mundial. Tudo isto poderá contribuir para que, dentro de poucos anos, Jerusalém possa ser uma cidade internacional onde os crentes de todos os credos possam viver em paz; a Palestina possa vir a ser um país como qualquer outro com um governo democrático e moderado; Israel possa viver em paz com os vizinhos confinada ao seu território sem mais pretensões expansionistas. Para que assim aconteça os E.U.A. terão que dialogar com o Irão e com os Talibãs moderados e a Rússia terá que se democratizar a sério. Resta-nos os países ditos emergentes, cujas economias vão sofrer, também muito, com a crise e que terão que enfrentar problemas sociais graves, daí decorrentes, que os levarão, inevitavelmente, a encetar um caminho mais aberto e democrático. Sejamos pois optimistas pois, caso contrário, correremos sérios riscos de destruição massiva e de um regresso a uma qualquer Idade das Trevas; mas desta dificilmente sairemos!

José Dias Egipto

07 Jan 2009

 


Acrescentar como Favorito (413) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 4249

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
 
Cash Loan | cheap car hire