Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

ONU critica detenção de militares na Guiné-Bissau

PDF Imprimir e-mail

A detenção prolongada e sem julgamento de militares na Guiné-Bissau é mais uma situação “bizarra” com a qual a comunidade internacional não pode estar de acordo, observou hoje o representante do secretário geral das Nações Unidas, Joseph Mutaboba.

 

Em conferência de imprensa, Joseph Mutaboba afirmou que não pretende falar de nenhum detido em particular, mas que a situação pode ser caracterizada como estranha e bizarra.

“Esta é uma situação bizarra. Antes de se prender uma pessoa, é-lhe informada da sua culpa, o que ela fez, em seguida é constituído um processo que vai para o tribunal, que por sua vez escolhe um magistrado que vai analisar o processo, para dizer se a pessoa deve ou não ficar na prisão”, disse Joseph Mutaboba.

O representante do secretário geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau reagia desta forma à pergunta sobre o que acha do facto de ainda não existir qualquer resposta a deliberação feita pelo conselho de segurança, que exigiu a libertação imediata de todos as pessoas detidas ou então que sejam levadas ao tribunal.

Entre os detidos figura o ex-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses, o almirante Zamora Induta, preso no quartel de Mansoa, desde o dia 1 de Abril passado, na sequência de uma sublevação militar dirigida pelo seu então número dois, Antonio Indjai, posteriormente nomeado chefe das Forças Armadas do país.

Para Joseph Mutaboba, a Guiné-Bissau “tem tido problemas com a comunidade internacional” porque não geriu bem o dossiê das pessoas detidas, na sua maioria, militares, uma vez que quase todas elas foram levadas para prisão sem o respeito dos pressupostos legais.

“Durante o percurso, os direitos humanos e judiciais devem ser respeitados. É aquilo que eu chamaria de justiça de alfa a ómega. Sendo que a ómega seria a prisão. Se toda essa tramitação for desrespeitada é normal que o país tenha a comunidade internacional a questionar. É normal que o país tenha problemas com a comunidade internacional”, observou.

O representante de Ban Ki-moon na Guiné-Bissau entende mesmo que o país não tem respeitado as convenções internacionais que assinou.

“Trata-se nesse caso de procedimentos que não são respeitados, trata-se de desrespeito pelas convenções assinadas pela própria Guiné-Bissau. Há uma anomalia na gestão desse dossiê. Não se pode guardar uma pessoa dois meses, seis meses ou um ano”, defendeu Joseph Mutaboba.

“Não estou a falar apenas do Zamora Induta, estou a falar de todos. Porque, aparentemente, há pessoas que estão detidas há mais de um ano sem julgamento”, notou o responsável das Nações Unidas para quem o que tem faltado é vontade política para resolver esses casos.

“Aqui não se pode falar de falta de meios, fala-se de falta de justiça e de vontade política. É preciso que a justiça seja feita, é verdade que há lacunas, como em toda parte, mas é preciso uma vontade política”, sublinhou Joseph Mutaboba.

“Basta uma caneta e um papel para assinar e assumir as decisões”, concluiu.

 

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
Bifokale Brille | Trimning | Onion Egypt | Anyoption Erfahrungen | Gifts For Mom | cheap car hire