Todos os países da lusofonia
Advertisement

O poema singelo é puro diadema

PDF Imprimir e-mail

O poema singelo é puro diadema  

O poema real dispensa a imagem visualCom o louvor do autor de uma arte à parteUsando-se as mãos e a força do pincelar mental E ao esculpir a pedra refratária diz-se: força da arte. Ao leitor que é o autor de intrinseca flor;Com o poder de criar as demais artes ao somDe imagem quebrando pedra ao solfejo musicalDe inspirada valsa, traz ao poema o dócil do salE o dulcíssimo lazer do eterno prazer do bomSentimento traduzido pelo amor no olhar. Ao marejar do tempo sem tempo de enxugar Vai querendo entender o que não é formadoPara se ver com o olhar dos sentidos, ouvidosE paladar. É a visão a tatear um amor singularSó para deixar o poema no seu devido lugar.  Deus deu dons aos homens.

 


Acrescentar como Favorito (371) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3171

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



 
| cheap car hire