Todos os países da lusofonia
Advertisement

A gloriosa cor da poesia no faro poético

PDF Imprimir e-mail

 

A gloriosa cor da poesia no faro poético

Ao som do pensamento

À visão da alegoria-alegria,

E à festa infestada de poesia.

Às vezes a lacrimejar lamento.

Poesia é o mais puro sentimento

Pois, a própria vida é o seu instrumento

Hilariante de prazer e sofrimento...

A poesia pode ser cantada,

Ser ouvida, na lide ser lida

Desta estrada empoeirada.

Inculcada numa encruzilhada.

Pode ser rude ou polida.

Podendo ser imaginada;

Pode também ser olhada

Como paisagem encantada

Ao sussurrar dos lábios

Ouvido ao pé do ouvido

Da primeira namorada.

Ao pronunciar: amor,

Em rápida pincelada.

Nela a odorífica flor

Será sempre cantada

Ao amantíssimo odor

Límpido e dencantado.

Grande causador do palor

De uma tez; já de uma vez

Simplesmente amarelada.

A poesia é a vida da vida

Da arte mais requerida,

Recatada e requintada.

Jamais será preterida.

Ela sempre está no pensamento de alguém.

Por isso ela é eterna...


Acrescentar como Favorito (363) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3783

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



 
| cheap car hire