Todos os países da lusofonia
Advertisement

O poeta-missioneiro não descansa

PDF Imprimir e-mail

O poeta-missioneiro não descansa

 

Sopitado pelo cansaço;

Nos dois pés um inchaço.

Aos vinte minutos da manhã.

Sou compungido a escrever...

Como meu grande dever!

Não me importo com a mente

Pois, creio nela, e nela sou crente...

Procuro plantar a minha semente.

Posto que fosse uma mente sã...

Mas tem um, porém,

Além dos anjos dizerem amém;

É isto que quero fazer

Sentindo o santo prazer.

 

Também se; for tresloucada

Eu nem olho do lado.

Embora, nesta hora

Esteja alquebrado

Vou insistir em dar o recado.

 

Não sei o que você está pensando,

Mas, creia; são bons os meus planos.

Estou nesta vida às vezes reprimida,

Porém, quero ir para o além da vida.

Nesta escola, quero passar de ano...

 

Pode pensar que sou aloprado,

Conquanto leia o recado,

Eu ainda vou-lhe fazer um fado.

E aqui deixo o meu muito obrigado.

 

Seja feliz meu irmão!


Acrescentar como Favorito (362) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 3491

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



 
| cheap car hire