Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

UMA HISTÓRIA BEM VELHINHA

PDF Imprimir e-mail
 No ano da graça de 1676, residia no Mosteiro de Santo Agostinho da Serra, frade crúzio, que passava os santos dias em contemplação.Bem lhe recomendava, o bom prior, Dom Jerónimo, que fosse até à cerca, recrear-se, pois sua saúde dava-lhe extremo cuidado, mas era o mesmo que nada.Acertou de vir o célebre imaginário vimaranense Domingos Costa, armar o retábulo do templo, que fora traça de Filipe Tércio e incumbiram ao piedoso frade, a missão de levar, ao artífice, a refeição quotidiana. Fez o monge forte instância, só a rogos anuiu; mais parecia emparedada de S. Nicolau, que cónego regrante do Bispo Hiponense, já que os acostumados regalos eram: jejuns, orações e doses de disciplina.Andava o bom cenobita na tarefa, que por obediência se havia obrigado, quando topa, em festiva chilreada, amorosos passarinhos que cuidadosamente fabricavam o ninho.Enxergou, com desgosto, o humilde filho de Santo Agostinho, que as inocentes avezinhas edificavam, em incansável labor, seu aconchego em desguardado local.Condoeu-se, então, o monge e acercando-se, tentou falar-lhes, a jeito que o irmão Francisco fizera às rolas da Porciúncula.Mas os pardalitos fizeram rija instância e, de coração contrito, o cenobita não encontrou melhor remédio senão desmanchar, por próprias mãos, o que tanto custara.No dia imediato, perpassando pelo local, lobrigou, em rasteiro maciço de verdura, novo ninho, mais sólido, mais forte, mais rijo.Pensou destruí-lo, mas moveram-se as lágrimas de pesar, e não conseguiu encontrar coragem para tanta crueza.Sobre tarde, quando o céu se avermelhava para a barra do Douro, e as vidraças da igreja se incendiavam, foi visitá-los. Encontrou-os aconchegados, adormecidos na quietude de quem se recolhe na paz do Senhor.Porém, ao romper da aurora, após matinas, ao fiscalizar a obra do templo, depara horrorizado, o hediondo espectáculo de passarinhos, traçados e decepados por agressivas navalhas ferinas.Acontecera a funesta tragédia que tanto receara o crúzio.Daqui tiraram, alumiados por Deus, os cenobitas, importante conclusão: muitas vezes o Senhor açoita os justos, destruindo-lhes as iniciativas, mas é por bem.Se o irmão tivesse sido inclemente, arrasando o ninho, os passaritos seriam salvos e viveriam felizes. É o que Deus faz, ainda que a atitude nos apareça, quantas vezes injustas, por pensarmos como homens. 
Acrescentar como Favorito (575) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 4701

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire