Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

O Homem Evocativo

PDF Imprimir e-mail

 

 

"É isso! É exatamente o que eu desejava expressar", dizia o homem evocativo em resposta ao homem contemplativo, referindo-se ao exemplo daquele que remava, ou vivia, ou navegava,  apenas porque precisava remar, ou viver, ou navegar. "Essa figura criada a título de exemplo", dizia o evocativo ao contemplativo, "é minha explicação acabada de porque admiro, quase venero, os urubus. Sempre foi difícil explicar, mas agora tomo emprestados os seus devaneios para evocar os meus". 

 

E continuou: "o que penso é que as outras aves,  aquelas ordinariamente comuns, voam porque precisam. O urubu, não. Voa por prazer. Reparem nos seus modos aéreos, seu comportamento volante, sua elegância de movimentos, seu domínio das correntes, ascendentes, descendentes, frias ou quentes. E temos ali o exemplo de um animal que é tão irracional quanto qualquer outro, exceto nós, humanos. Mas, diferente dos demais, o urubu retira um prazer evidente de suas capacidades naturais. Não as utiliza apenas para saciar a fome ou perpetuar a espécie. Não, vejam bem, ali está alguém que levou aos limites da natureza o prazer de viver. Um ser que entendeu perfeitamente a graça das habilidades que lhe foram dadas". 

 

O homem evocativo prossegue, e pergunta, e ele mesmo responde: "qual animal não é presa nem predador de ninguém? As ordens biológicas formam uma bem posta cadeia alimentar. A nós, humanos, coube batizar essa ordem do universo e definir seus contornos, depois de  termos conquistado, por assim dizer 'na raça', um lugar no topo dessa pirâmide. Nela, ou se caça, ou se é caçado. Deve haver outras tantas exceções, mas nenhuma visualmente mais nobre que o urubu. Chego até a pensar que ele tem uma espécie de ética, ao excusar-se de avançar na carne de animais vivos, salvo em situações de fome extrema, ou quando a refeição, embora condenada, demore demais a transitar da condição de animal para alimento, ou de flesh para meat, como dizem em inglês". "Até ouso dizer", pensou o evocativo, "que essa diferenciação linguística foi uma contribuição do urubu ao idioma de Shakespeare, o que confirma a sofisticação desse animal (o urubu, não Shakeaspeare). Algum observador sutil deve ter notado os elogiáveis princípios do urubu, para quem flesh é uma coisa, meat é outra, há que se respeitar a ordem das coisas enquanto uma não se torna a outra".  

 

Assim como o homem recordativo não é botânico, o evocativo não é zoólogo, mas vamos seguir seu  raciocinio.  "A águia, por exemplo, voa tão alto quanto um urubu, alguém há de lembrar. Sim, sim, mas reparem no ar de grave responsabilidade que a águia carrega em seu semblante, se é possível atribuir essa feição a um bicho. O símbolo norte americano é uma águia, não um urubu, já se vê aí o peso moral que a aparência fez pousar sobre as asas daquela ave. Ela é prática, eficiente, mortífera... encontra a presa, define a estratégia e voa em sua direção, desembutindo as garras no momento exato do ataque fatal. Poucos sabem que suas chances são limitadas, basicamente um único rasante, lutando contra o risco de chocar a envergadura das asas com algum arbusto mal vislumbrado. Quebrar um componente de sua estrutura alar seria mortal, ela não dispõe de tempo para curar-se, morreria de fome. Não tem tempo a perder. Muito menos  tempo de contemplar. Já contemplar é um prazer ao qual o urubu se entrega amiúde. Ou é possível imaginar que este bicho esteja fazendo outra coisa quando voa calmamente na altitude dos aviões? Só pode estar aproveitando a vida e a vista  deslumbrante, desfrutando de um voar  despreocupado, como nenhuma aeronave jamais propiciou a qualquer ser humano. Eu bem trocaria uma eternidade humana por um único dia de urubu", confessou nosso admirador das aves carniceiras.

 

Não deve ter ficado claro porque o nosso amante de urubus foi chamado evocativo.Vamos explicar: é porque ele se destina a estabelecer, nesta coletânea de personagens, uma categoria intermediária de homens.  Ao incrédulo que existe no unitário, e ao crente indeciso que habita o contemplativo, junta-se o sujeito que crê, descrendo. Como não se decide por um lado ou outro, teme ambos, variando apenas o grau de apoio à tese de acordo com a situação. Ou, fechando o círculo, ele simplesmente "evoca" a ajuda que lhe parece mais adequada para cada momento. "Voa em círculos, como os urubus", alguém haverá de dizer. Mas não estamos certos, nem eu nem o homem evocativo, de que o urubu não vá à lugar algum em seus vôos circulares. Ao contrário, talvez se trate do modo mais correto de navegar pelos ares, olhando o mundo como ele é: um círculo. Quem voa reto em direção a algum lugar, nunca alcançará o horizonte, como nosso amigo contemplativo. Nem poderá ficar olhando para trás, como o homem recordativo. Mas o urubu, este sim, talvez resuma o equilíbrio filosófico que buscamos: voa o presente, nem fixando-se à frente, nem atrás, mas ao que tem abaixo, concretamente aos seus pés. A vida talvez seja um suceder de círculos. Mas aqui já se esgotou o papel do homem evocativo. E numa das voltas, ele transfere o assunto para o homem reflexivo, a quem caberá divagar mais sobre as órbitas da vida. 

 


Acrescentar como Favorito (513) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 5084

Comentários (1)
Coemntários RSS
1. Escrito por hasan dogru em 27-11-2012 11:22 - Registado
 
 
Temizlik Malzemeleri
Fine post, and your overall all the blog is very informative and of the best quality. Thanks 
Oto Temizlik ve Bak1m Ürünleri 
 
Oto Temizlik Ürünleri
 

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire