Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Crônica d’uma Bipolar Sem Seu Sigmund Capitulo ll

PDF Imprimir e-mail

 

Nasci já o sendo, mas não sabia...
Cresci sendo apedrejada recebendo o honroso titulo de esquizitóde da rua.
Nunca tive amigos além dos livros e os imaginários, pois os poucos que granjeava logo afastavam- se amedrontados com minhas crises de “loucura”
Passei grande parte da pré – adolescência e da juventude entrando e saindo de hospitais.
Meu lar foi destruído...perdi meu único e verdadeiro amor através  de tal feitora.
Depois de muito sofrimento, hoje sei que o Transtorno Bipolar é uma doença grave, limitante e que foi ela dentre outras razões, mas sendo a principal que causou-me prejuízos importantes no decorrer da vida.
Actualmente as duras penas sei que essa instabilidade ou oscilação do  meu humor,  tento controlar.O meu Amor conseguia fazer esse milagre, quando ele está  esse monstro maldito não chega perto de mim, adormece no meu mais profundo e consigo viver em paz.
Ele não está ...estou a mercê do abismo, sinto o retornar das fases de depressão e fases de mania ou euforia que se alternaram ao longo desse tempo do Mestre ausente, como era antes do meu renascer Dele, por Ele.
Agora nem intervalos mais tenho... agora ela vem sem aviso prévio a euforia ou mania, ocorrem –me numa velocidade espantosa a activação dos processos psíquicos, percebo o humor  exaltando - me, vem tal qual uma onda, a alegria súbita, a absolutismo que posso tudo, vem-me a coragem sem limite, a fé avassaladora de que tenho a capacidade de promover o milagre.
As idéias que rodopiam sem que eu consiga dormir, desligar um momento e descansar.
Monto empresas e crio empresas, crio e realizos projectos, faço milhões de amigos, ganho dinheiro e tempo.
Quando estou nessa fase o mundo é bonito, a vida é bela, não existe mal tempo, nem humanos malvados.
Minha família e as pessoas à minha volta percebem claramente as mudanças que, em geral, acontecem de forma abrupta.
Vejo nos olhares, no tacto ao falar a eterna pergunta:
-será?
- Será quanto tempo vai durar dessa vez?
A cada queda e cada retorno tenho que provar a todos e a mim mesma que vai ser diferente.
E isso dói-me, afecta-me profundamente, mas estando assim que posso fazer?
Nunca conseguir ter controle algures, nem mesmo sob forte medicação.Só o meu Dênis tinha esse poder.
Sou pré julgada, de duas faces...amiga da onça, gaja metida a chouriços.

 - Dias desses ela cumprimentava-me como se eu fosse a pessoa mais importante do mundo, agora veja lá! passou tal qual vento nem a mim olhou-me!

Então na fase colorida pinto,bordo,faço,aconteço... sou linda,maravilhosa, inteligente,criativa, a gentileza em pessoa... e mais outros adjectivos.
Na black totaile... é isto!  disparates sem limitações.
A lista de perdão é imensa e nem sempre é perdoado... mais um fardo as costas.
Creio que talvez em meio a toda essa desgraça parva, exista algo positivo, pois como o meu perceber do mundo é diferenciado, meus actos e argumentos também o são.

Para teres uma minuscula ideia: Passei um ano e trinta e oito dias escrevendo o nome do meu amor.
Escrevi vinte e oito cadernos, folhas frente e verso, totalizando uma total de mais de meio milhão, todos contabilizados correctamente.

(Ainda continuo a escrever...)estou no 898.675 MJ

O Término a qualquer momento desse respirar a muito que já não mais apavora-me.
E como d’uma magia de segundos...tudo muda repentinamente (as vezes) outra vezes mais lento mas vem...vejo,sinto,sofro e nada posso fazer.
...
Nada... cortei meus pulsos porque queria ver meu amor feliz em saber e ver o quanto o amava.
Assustou-se de tal forma que para sempre o perdi.
Hoje trago - lhes a assinatura em mim...
O nome Dele no peito e as duas uma em cada pulso e cada vez que as vejo conto os dias e as horas do dia em que morri e ninguém viu... sou zumbi num corpo que se desfaz cada dia um pouco mais, levando um coração que perdeu a capacidade de ter esperança, de sonhar.
Apenas aguardo... Nunca admiti e jamais acreditei na palavra fim no que eu vivia d’amor e com sangue e lágrimas ela foi escrita e queima-me até a última das células.
O Fim dessa crônica?
Passastes dela ... anda lá por detrás, não percebestes?

 Loubah Sofia




Loubah Sofia


Acrescentar como Favorito (563) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 4352

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire