Todos os países da lusofonia
Advertisement

Gratidão

PDF Imprimir e-mail

Há diferenças profundas entre o pensamento filosófico do Ocidente e do Oriente, sobretudo as concepções sobre o corpo, a alma, o valor do conhecimento, a finalidade do saber e o papel da existência humana na Terra. Evidentemente, há elementos comuns, como a crença na imortalidade da alma e do corpo como instrumento para o ato de conhecer, embora sejam conceitos defendidos expressamente pela filosofia clássica, sobretudo por Platão. Não obstante, um elemento extraordinário que a Filosofia ocidental deixou de conceituar foi sobre a gratidão, um belo valor ético, moral, metafísico e espiritual.

Isaac Newton disse que as leis e princípios da Mecânica, que ele estruturou, nada seriam sem as relevantes contribuições de Giordano Bruno, de Nicolau Copérnico e de Galileu Galilei. Portanto, se ele ofereceu algum avanço para a Mecânica e para a Física teria sido graças àqueles gigantes do pensamento que ele, como um menino, se apoiou nos ombros.

É raro encontrar na história do pensamento humano esses momentos de gratidão e de reconhecimento. Na verdade, o que cada um parece crer é que o conhecimento se inicia e termina consigo mesmo e que outras contribuições são meras futilidades. Contudo, quantas vezes a Ciência como a Filosofia tiveram que redimensionar o foco de suas pesquisas e métodos para irem além e obterem fundamentos provisórios para o surgimento de outros conhecimentos.

 

O pensador Rubem Alves na obra Filosofia da Ciência escreveu que seria lamentável se o conhecimento perecesse com a pessoa que o havia instituído, pois sempre estaríamos no mesmo ponto inicial, sem avanços; com equívocos, é verdade, mas sem acertos. Imaginem os conhecimentos físicos sendo sepultados com Albert Einstein; os conhecimentos genéticos enterrados com Charles Darwin e Mendel; a filosofia com os grandes clássicos. Seria uma tragédia. Todavia, todas as vezes que alguém dá um novo passo para um conhecimento inédito, e não atribui valor ou significativo para os desbravadores daquele saber, está paradoxalmente crendo que o conhecimento inicia e termina consigo.

 

Queira Deus que 2012 seja o ano da gratidão. E começa por mim. Agradeço aos meus professores da EE Vereador Euclides Miranda que me ensinaram a escrever; aos professores da EE Humberto Piva, em Pedreira, que me educaram para o bem; aos educadores da PUC-Campinas e da UNICAMP pela minha formação, aos docentes e estudantes das Faculdades de Tecnologia de Americana e de Bragança Paulista; aos meus pais, esposa, alunos da RMC, aos leitores e críticos, etc. Que a gratidão seja na minha e na tua vida o maior valor humano.

Felicidades e muito obrigado por sua leitura.

 

BENEDITO LUCIANO ANTUNES DE FRANÇA (PROF. BENÊ FRANÇA) –

38 anos

É Mestre em Filosofia. É professor de Filosofia da EE João Franceschini, em Sumaré/SP, de Metodologia da Pesquisa na FATEC de Bragança Paulista/SP e de Ética na Tecnologia da Informação da FATEC de Americana/SP, ambas no Brasil.

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4794252A5


Acrescentar como Favorito (200) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 1423

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



 
| cheap car hire