Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Advertisement

D. JOÃO DA CÂMARA E A MARIA MATOS

PDF Imprimir e-mail

 

Escrever sobre D. João da Câmara, é sempre, para mim, prazer inaudito, que inunda-me a alma de imenso júbilo.

Dele, contam-se comoventes episódios, de extrema bondade, próprios de quem busca a perfeição.

Gabriela Castelo Branco, in “ Diário de Lisboa”, de 12/02/1943, assevera que escutou da boca da Senhora D. Maria de Jesus, filha do dramaturgo, gestos de ternura do iminente fidalgo, descendente dos ilustres Lafões e Ribeira Grande, cujas raízes mergulham no notável navegador, João Zarco da Cãmara.

Certa vez ofereceu a pobre, como outro Martinho, sua capa de abafo; e a jovem, aluno do Conservatório, as botas que usava, ficando, assim, recluso no leito, por falta de calçado.

Mas a cena mais poética, mais comovente, que permaneceu na retina de todos, quiçá por envolver a famosíssima e genial actriz, Maria Matos, foi o exame de admissão desta, ao Conservatório.

O júri, formado por Eduardo Schwalbach, D. João da Câmara, Júlio Dantas, Carlos Malheiro Dias, Henrique Lopes de Mendonça, Maximiliano de Azevedo, examinava os candidatos.

Apareceu menina, vergonhosa, pálida de pavor, de vestidinho sóbrio, que mal podia balbuciar palavra, tão pesado era o medo que a tomara.

Bem insistia Schwalbach para declamar poema, mas a menininha, balançava de leve a saia, e de cabeça inclinada de vergonha, mansamente murmurava:

- Não sei…Nunca recitei…

Abriu-se largo silêncio. Entreolharam-se os examinadores.

Junto à janela, D. João da Câmara mantinha-se estático. Vagarosamente, volta-se, olhando a menina, que tremia de pejo. Sorrindo, abeira-se de Maria Matos e sussurra-lhe amorosamente:

- Diga a Avé- Maria.

Ganhando ânimo, a menina recitou com tanto entusiasmo, com tanta fé, que os presentes em uníssono declararam:

- Está admitida.

Não admira que Maria Matos actriz e actriz de reconhecido mérito, sempre que era assaltada pela tristeza e problemas de difícil solução, abeirasse do jazigo do dramaturgo e, com ele,”dialogasse”, pedindo-lhe conselhos e protecção. Quem o diz, é D. Emília da Câmara Almeida Garrett, em missiva endereçada à mãe, datada de Castelo Branco, a 28/06/1910.Carta que a minha querida amiga a Sr.ª D. Maria Eugénia da Câmara Rebello de Andrade, neta do escritor, teve a gentileza de ma mostrar.

Em “ Dizeres de Amor e Saudade”, Maria Matos, escreveu: o dramaturgo possuía um “ coração bondosíssimo”, e remata, em ternura:” Abençoado seja a tua memória, mestre querido, pelas puras alegrias que sempre me deste.”

Seis dias decorreram, depois de D. João da Câmara, completar 55 anos, o dramaturgo falecia no quarto contíguo ao que nascera; antes, porém, despediu-se de todos, rogando que o não chorassem; e cerrando pálpebras rezou o Pai -  Nosso, e para sempre dormiu:

 


Acrescentar como Favorito (280) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 1676

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
Please login to Automatic Backlinks and activate this site.
 
| cheap car hire