Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Blog Pululu

  • E, em 2021, tudo os talibans apanharam em 3 meses? 16 Aug 2021 | 7:15 pm

    Desde que começaram a ocupar os territórios afegãos liberados pelas forças norte-americanas e da NATO, ao abrigo do Plano Trump-Talibans (Trump-Taliban Plan) e que o presidente norte-americano Joe Biden, manteve, apesar das suas críticas a este plano, que os talibans (ou ?estudantes?, mas de um Islão ultra-radicalizado ? certamente que nunca leram Alcorão (al-Qur??n ? ?O Livro? ou a ?Recitação?), mas absorvem o que lhe imputam certos líderes religiosos) já chegaram à capital, Cabul, e em pouco mais de 3 meses.

    Entraram ontem no palácio presidencial e reinstituíram o Emirado Islâmico do Afeganistão.

    O pânico, naturalmente, é enorme. Há 20 anos que os afegãos gozavam de uma relativa liberdade política e religiosa, em particular. as mulheres, que durante o regime talibanforam obrigadas a envergar a burka (cobertura integral do corpo da mulher), a deixarem de ter presença em actividades públicas e a deixarem de frequentar as escolas.

    Os talibans afirmam que não são, ou não têm, as mesmas ideias radicais de há 20 anos. Não exigirão às mulheres o uso da burka, mas sim o hijab (só a cabeça é coberta com um lenço, ficando parte do rosto visível).

    Mas como já hoje comentava Jonuel Gonçalves, e cito «A Universidade de Cabul já se despediu das alunas e algumas empresas (bancos por exemplo) também demitiram as funcionárias dizendo que elas podem ser substituídas por um familiar».


    Mas poucos são os que acreditam nestas promessas, tendo em conta que alguns afegãos já afirmam que as zonas ocupadas já sentem o impacto da sua teologia radical.
    Mas não são só as mulheres que sentem o perigo do radicalismo taliban. Também os afegãos que não concordam com este Islão radicalizado, ou que foram funcionários governamentais e, ou, funcionários e agências internacionais e de embaixadas ? principalmente, ocidentais ? temem pela vida e tudo estão a fazer para fugir, mesmo que isso provoque o total caose à sua morte?

    A estão que se coloca é o que pode, ou deveria ter podido fazer, a administração Biden, face a tão rápida progressão taliban?

    Há quem critique Biden por, apesar de ser contra o plano Trump-Taliban, celebrado em Fevereiro de 2020, o ter mantido e desejar retirar as forças norte-americanas até 31 de Agosto de 2021. Só que Biden tem um duplo problema:

    - ao  manter a retirada das tropas norte-americanas, criticam-no por deixar os ?amigos? e ?aliados? e as mulheres aos critérios radicais dos talibans, no que consideram a ?pior decisão de Biden?;

    - mas se ele não cumprisse esse acordo ficaria sob duas observações críticas: 
    i) de um lado os norte-americanos que já consideravam ? e consideram ? esta guerra inútil porque além de muito dispendiosa, provocou inúmeras vítimas entre os seus soldados, aliado ao facto do motivo que levou à intervenção norte-americana e da NATO no Afeganistão já tinha sido cumprido, ou seja, a morte de Bin Laden, o líder da al-Qaeda que levou por diante  o que, dentro de cerca de 3 semanas se recordarão como os 20 anos de infâmia, ou seja o ataque do 11 de Setembro de 2001, que provocou milhares de mortos em New York, Washington DC e Pensilvânia;
    ii)por outro lado, a diplomacia internacional poderia ver esse recuo de Biden como desrespeito por acordos internacionais e isso poderia ser aproveitado pelos ?críticos? de Biden e por ?inimigos? dos EUA, seja como um belicista ? por manter uma guerra e acolher s interesses de certas empresas bélicas norte-americanas ?, seja como indivíduo pouco credível para celebrar acordos, tratados e convenções internacionais ? e em vésperas da Assembleia-geral das Nações Unidas e do CO26, em Glasgow, sobre o Ambiente e Alterações Climáticas?

    Face a isto pouco resta a Biden que não retirar as suas forças militares do Afeganistão e desejar que ?estes talibans? sejam mesmo diferentes dos ?originais?.

    Caso contrário, teremos o recrudescimento do terrorismo de base islâmica ? o retorno da al-Qaeda ou do EI/Isis/Daesh não são de menosprezar, e no caso do Al-Qeada o (re)impacto em Moçambique junto dos insurgentes ?, o retorno ? há quem afirme que foi sempre o que os manteve, além do apoio nada discreto de alguns paquistaneses, os mesmos que acolhiam Bin Laden ? à cultura e comercialização e dos campos da papoila-branca (papaversomniferum) para produção de opiáceos e sua exportação internacional e à propagaçãodo radicalismo islâmico para os países vizinhos da antiga-URSS, para  China e para o Médio Oriente e, daqui para a Europa e África?

    Se estas situações se vierem a verificar só caberá à comunidade internacional, através da ONU uma forte intervenção armada, mas com apoio inequívoco das 3 grandes potências: EUA, Rússia e China e com apoio de islamitas moderados, da Índia, da NATO, e de toda uma larga comunidade de países, para tentarem o que ingleses (no século XIX-XIX ? três guerras que terminaram com o Tratado anglo-afegão de Rawalpindi, em,1919), soviéticos (século XX) e norte-americanos (século XXI) nuncaconseguiram: dominar os afegãos (os povos das montanhas).


    NOTA:
    As imagens foram recolhidas da Internet e de vídeos publicados no Whatsapp

Advertisement

Investir em Portugal Investimentos em Portugal
Aconselhamento e apoio ao investimento estrangeiro em Portugal



Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
 
Transport Kristiansand | Gjerde | Feil På Previa | Lindemann Bochum | Köksinspiration | cheap car hire