Clara Pinto Correia

CANTO LUSOFÓNO

Como esta viagem que nos fez não tem regresso
Hoje só nos restam as cartas do futuro
Onde nunca mais possa vir prender-te o peso
Das amarras antigas vestidas de escuro
  Larga-nos aos poucos pelas praias do mundo
Tu que só aceitas navegar em segredo
Pois só no fim do mar que não queira ter fundo
Poderá naufragar o sal do nosso medo

És madrasta ó mãe que não nos deixas deixar-te
Para nós criaste as regras certas da arte
De prometer tantas promessas não cumpridas

É pelos teus sonhos que há sempre alguém que parte
E é pela tua voz que voltamos para amar-te
Ai Portugal que voltas deste ás nossas vidas

O soneto Canto Lusófono foi feito especialmente para Portugal em Linha. 
 Cronologia Entrevista
 
Obra Publicada