Portugal em Linha Literatura Lusófona
Escritores Lusófonos


João de Melo


João de Melo



Obra publicada
Obra publicada
Conversas com João de Melo
Conversas no Forum Litarário

Conversas sobre João de Melo



ENCONTRO COM O JOÃO DE MELO

Dezembro de 1971. Norte de Angola. Calambata.
O aquartelamento encarrapitado no cimo do morro. A meia encosta, a sanzala.
Ao redor, a omnipresença dos morros verdes de capim. Nas vertentes, as manchas escuras e densas da mata.
Finalmente, após longa espera, os «maçaricos» chegaram. À porta de armas, uma enorme bandeirola de pano branco, letras garrafais pintadas em vermelho vivo, fazia as honras da recepção:
«A RAZÃO DA VOSSA TRISTEZA É A RAZÃO DA NOSSA ALEGRIA.»
Os «velhinhos», em polvorosa, rodearam a coluna. Troçam, hílares, do ar aparvalhado dos recém-chegados. - Estes «maçaricos» ainda cheiram a sal.
- Estávamos com medo que se tivessem perdido na picada.
- Aqui não podem chamar pela mamã.
Mas logo a saudade desponta. Abruptamente, a fachada rude esboroa-se.
- Vem alguém de Viana ?
- De Chaves ?
- De Leiria ?
Reencontros. Abraços. Corações a estoirar na boca. Na messe dos sargentos preparamo-nos para receber principescamente os recém-chegados. Eu e o Machado, um rapaz do Lobito perdido por folias, demos folga aos faxinas e começámos nós próprios a servir o jantar. Com os nossos camuflados mais esfarrapados, cigarro ao canto da boca, inspirados pelas avantajadas cervejas já emborcadas no decorrer do dia, massacramos os «maçaricos» sem piedade. Entornamos-lhes o molho do guisado sobre as camisas novinhas em folha, damos-lhes encontrões e vigorosas palmadas nas costas que os fazem engasgar de surpresa, tratamo-los com uma familiaridade que os deixa aturdidos.
- Aqui no mato não há postos, somos todos iguais.
- Se não estão satisfeitos, levantem o rabinho da cadeira e vão lá dentro à cozinha buscar a comidinha.
- O tempo dos escravos já acabou.
- É comer e calar.
Os «velhinhos» ajudavam à «festa» :
- Os nossos faxinas estão completamente cacimbados.
- Não digam nada senão ainda são capazes de ir buscar a G-3 e começar para aí aos tiros.
Por fim, um dos furrieis maçaricos, incapaz de suportar por mais tempo a tortura atirou o guardanapo sobre a mesa e ergueu-se, lívido, a arfar de indignação. Era um rapaz franzino, de cabelos lisos e aloirados. Chamava-se João de Melo e começava nessa noite a incubar a sua «Memória de ver matar e morrer».
Era tempo de acabar com a pantomina antes que a situação degenerasse.
Feitos os devidos esclarecimentos, desatámos todos a rir às gargalhadas e a festa prolongou-se pela noite fora até ao romper do dia. Depois, nos quinze dias que durou a sobreposição, eu e o João de Melo ficámos amigos.
Unia-nos o amor às letras e a cumplicidade das nossas preocupações socias e políticas. O João de Melo deu-me a ler os seus manuscritos e eu mostrei-lhe os insípidos textos que já então me aventurava a escrevinhar. Ainda me recordo da grande admiração que ele nutria então pelo Urbano Tavares Rodrigues. Pelo escritor e pelo homem vertical.
Passados alguns anos, quando o nome do João de Melo começou a andar nas bocas do mundo e os seus livros inundaram os escaparates das livrarias, eu gostava de dizer : conheci este tipo na tropa. E acometia-me o desejo de escrever a história do nosso encontro insólito.

Manuel Carvalho




homeVoltar à página principal

Portugal em Linha - O Ponto de Encontro da Lusofonia