Todos os países da lusofonia

Galeria Lusófona

Arte Lusófona
Literatura Lusófona
Sabores Lusófonos
Advertisement

Blogs Recomendados

Alto Hama
Pululu
Malambas

Legado Português

Portugal no Mundo
Brasil 500 anos

Empresas Destaque

Horas Lusófonas

Blog Pululu

  • Uma "imprensa plural, rigorosa, isenta e credível" é o que todos almejamos? 30 Sep 2021 | 3:32 pm

     



    (imagem via Internet/Google)

    O texto que a seguir coloco, era para ter sido publicado num portal nacional ? ainda que sedeado no exterior; todavia, por razões técnicas e operacionais do referido portal o mesmo não pôde ser publicado. Por esse facto, o início foi ligeiramente alterado para ficar mais próximo do facto/localização actual?

    ______________

    Num texto de 3 de Maio pp, o portal do Novo Jornal (NJ) publicava um interessante artigo onde anunciava e escalpelava a vontade do MPLA em desejar uma "imprensa plural, rigorosa, isenta ecredível"; e sobre que bases assenta esta ?nobre e meritória? vontade?

    Esta ideia espiritualista foi transmitida pelo ?Bureau Político? ? dizer ?Bureau? é intelectualmente mais bonito que dizer ?Escritório? ou ?Departamento? ? pela ocasião do Dia Mundial de Liberdade de Imprensa, que se comemora ? ou relembra ? a 3 de Maio de cada ano.

    Há muito que não assistia, directa ou por gravação, ao ?Jornal da Tarde? (o das 13 horas) da TPA Internacional. Hoje (04/Maio), durante esse horário, houve um largo período que foi dedicado, quase exclusivamente ? retira-se ao encontro que ocorreu com o embaixador sul-africano ?, a meras actividades políticas do MPLA; ainda que em várias províncias.

    Uma imprensa rigorosa, isenta e credível, pode ? deve! ? noticiar actividades políticas, mas, e sempre, na base de uma mera informação curta.

    Se o MPLA, a UNITA, a CASA-CE ou outra qualquer organização política (OP) deseja ver transmitidas várias das suas actividades, então só tem um de duas soluções:

    ·         ou compra espaço televisivo num órgão de imprensa ? se no caso de televisão, ou rádio, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) tem de definir os tempos de antena que as OP podem comprar ? o termo é este mesmo, comprar ? fora do âmbito eleitoral, e usá-lo em espaços temporais previamente definidos, normalmente, são juntos de períodos noticiosos, para os divulgar, com

    ·         ou, na linha das modernas OP, criam um espaço numa ou nas principais páginas sociais ? Facebook, Instagram e, ou, YouTube ? e faz as suas transmissões, como as Instituições Superiores de Educação, por exemplo, para todos os que desejarem seguir essas actividades (sejam, militantes, simpatizantes ou meros curiosos ou analistas políticos).

    De contrário, fazer afirmações destas, por muito bem-intencionadas e credíveis que desejam mostrar ser verosímeis, tornam-se meramente especulativas e sem sentido.

    Ou melhor, mostram que apesar das "boas vontades" e das "boas intenções" parece querer continuar a haver uma vontade inequívoca de dominar a Comunicação Social.

    E isso mesmo é reconhecido, no referido texto do NJ, quer por Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos, quer por Luísa Rogério, presidente da Comissão da Carteira e Ética.

    Tudo isto acaba por deixar um mau cartão-de-visita, ou transmite um mau presságio, principalmente depois da ?aglutinação" de vários órgãos de informação, mais ou menos privados, sob a tutela dos principais órgãos de informação públicos, para as eleições que se avizinham.

    Querem apostar ? eu não o faço, porque, certamente, perderia se votasse pela benignidade das intenções, ? que será isso o que acontecerá e será isso o que a Oposição ? seja ela quem ou o que for ? irá proferir, antes, durante e a pós a realização das mesmas?

    10.Jun.2021


Advertisement
Advertisement

Comunicados

António Marinho e Pinto - Mudar Portugal

Ler mais...

Broa de Avintes - não tem asas nem sabe voar

Ler mais...
 
Transport Kristiansand | Gjerde | Feil På Previa | Lindemann Bochum | Köksinspiration | cheap car hire