O amor mais uma vez e sempre

O amor mais uma vez esempre

Uma mensagem do que é o amor neste plano terreno. Apesar de perfeito tem de vir acompanhado do crescimento através das adversidades de uma existência turbulenta para o respectivo resgate de nossos feitos em vidas pregressas. Até pela lógica, somente assim podemos entender e avaliar a justiça divina... Estamos colhendo os frutos de nossos plantios... Pensemos um pouco e sem partidarismo religioso: Se Deus é justo e o porquê de nascerem dois univitelinos (gêmeos idênticos) e um deles tornar-se saudável e bem-sucedido, enquanto, o outro sofre grandes atrocidades e simplesmente falece em sua miserabilidade. Nesta guerra da vida o bem vencerá o mal, ou seja, venceremos o nosso próprio ego. Com absoluta certeza a nossa guerra brota em nós mesmos. Tolerância, amor e paz sejam as nossas armas.

Amor 
Belo e reluzente
Farol de grande certeza. 
É ele quem sempre vence
Sem deixar vestígio aparente.
É muito grande a sua destreza
A causar enorme tristeza
De contentamento
Clemente.
Eis um sentimento 
Traduzido em lamento
E de indescritível leveza.
O amor-alegria jamais existiria
Sem que existisse a melancolia
Causada pela triste torpeza
De paupérrima realeza.
Aqui existente.
Alavanca da vida
Assim é traduzida
A carregar a bateria
De plausível harmonia.
No equilíbrio dessa agonia
Fazendo brotar grande alegria
Trazendo-nos uma bela fantasia
Que um futuro já nos prometia:
Somos verdadeiras utopias.
Perambulamos num oásis
Murchos-infláveis,
Importantes
Descartáveis.
Menestréis-reis
Mortais-deuses.
Regastáveis.
Eis 
O amor,
Pudor e paixão.
Paraíso, juizo e caixão.
Amor velado, amor indeciso.
Siso de juizo ajuizado e calculado.
Terra, e céu estrelado pelo Deus do juizo
Já cansado de ser colocado para o lado do lado.
Cuidado; um Deus amoroso, poderoso, e intrigado
Sem ser vingativo e já vingado pode ser traduzido:
Demônio alado pelos ventos soprando tufões
De lamentos a seres a serem lamentados,
Pela argúcia ou astúcia de seus furacões.
Aí é ser cristal doce virando melado.
Para não dizer: pão embolorado
Fungando dejetos e palavrões
Em um  punhado  amuado
De corações assustados.

“Amor, grande enigma"

 

jbcampos


Acrescentar como Favorito (504) | Refira este artigo no seu site | Visualizações: 4018

Seja o primeiro a comentar este artigo
Coemntários RSS

Só utilizadores registados podem escrever comentários.
Por favor faça o login ou registe-se.